Pinturas Rupestres: matérias-primas, técnicas e gestão do território Hugo Gomes, Pierluigi Rosina, Andrea Martins, Luiz Oosterbeek

  • Hugo Gomes
  • Pierluigi Rosina
  • Andrea Martins
  • Luiz Oosterbeek
Keywords: Matérias-primas, Pinturas rupestres, Pigmentos

Abstract

Um dos aspetos mais interessantes nos variados estudos dos pigmentos utilizados para a realização de pinturas rupestres é a selecção e manipulação das matérias-primas. Para estes estudos têm que ser considerados os aspetos geológicos, relacionados com a disponibilidade de matérias-primas; os aspetos culturais, resultantes das diferentes tradições adotadas e finalmente, os aspetos relacionados com a conservação, ou seja, a possibilidade de encontrar somente parte dos pigmentos originalmente utilizados (p.ex: os componentes inorgânicos).

No projecto RupScience (PTDC/HIS-ARQ/101299/2008) - "Análise das cadeias operatórias, arqueometria e cronologia das pinturas de Arte Rupestre" o foco da investigação é a identificação de eventuais inovações tecnológicas, essencial para o desenvolvimento de estratégias de adaptação das sociedades humanas, nomeadamente a determinação das matérias-primas que foram utilizadas nos pigmentos e das alterações que sofreram, questionando também sobre o seu estado de conservação.

Nas análises realizadas nos vários ambientes (Península Ibérica e África: Etiópia, Angola) pode-se verificar que existem alguns elementos que são recorrentes (óxidos de ferro, sobretudo a hematite) e outros que são específicos de áreas geográficas particulares.

Downloads

Download data is not yet available.
Published
2013-06-22
How to Cite
Gomes, H., Rosina, P., Martins, A., & Oosterbeek, L. (2013). Pinturas Rupestres: matérias-primas, técnicas e gestão do território Hugo Gomes, Pierluigi Rosina, Andrea Martins, Luiz Oosterbeek. Estudos Do Quaternário / Quaternary Studies, (9), 45-55. https://doi.org/10.30893/eq.v0i9.155
Section
Articles