A geologia do holocénico aplicada ao ordenamento da Zona Costeira

Helena Maria Granja

Resumo


É apresentada uma síntese dos conhecimentos sobre a estratigrafia e geocronologia das formações sedimentares do Plistocénico-Holocénico, nas quais se identificaram indicadores da alternância de paleoambientes (lagunares, de praia, eólicos) e paleossolos (exemplo, um solo do tipo podzol). O facto leva a admitir que são causas naturais que influenciam o emagrecimento e a migração das praias actuais (= erosão das praias) e não causas antrópicas, como se procura fazer crer; discute-se o papel das barragens no fenómeno.

O ordenamento costeiro faz-se sobre paleogeoformas holocénicas que estão a ser destruídas por causas naturais (a que as causas antrópicas podem oferecer um pequeno reforço), razão pela qual é pouconrealista falar-se em reconstituição de geoformas. O ordenamento costeiro deverá considerar o facto como um dos seus fundamentos.

A exemplificação da situação é dada pelos galgamentos do mar sobre a duna frontal e sobre outras formas dunares, cuja geocronologia é apresentada.


Texto Completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .


Os artigos publicados na revista Estudos do Quaternário são indexados nas seguintes bases de dados: