Arte “Esquemática” de ar livre na bacia do Ave (Portugal, NO Ibérico): espacialidade, contexto, iconografia e cronologia

  • Daniela Cardoso
  • Ana M. S. Bettencourt
Keywords: NO de Portugal, Arte de tradição esquemática, Pré-história Recente, Neolítico-Calcolítico, Animismo

Abstract

A primeira compilação de arte rupestre de ar livre realizada para a bacia do Ave, no NO de Portugal, permitiu inventariar um certo número de gravuras que se inserem genericamente na denominada arte de tradição esquemática.

O trabalho realizado, a diferentes escalas de análise, possibilitou dar especial atenção à localização espacial e ao contexto físico de implantação deste tipo de manifestações rupestres; a estudos sobre a morfologia dos afloramentos gravados; à sua iconografia e a eventuais fases de gravação.

Foi colocada a hipótese da existência de duas fases distintas dentro deste tipo de gravuras. Uma primeira, com motivos abstratos, foi considerada Neolítica e a segunda, com antropomorfos com toucados e portadores de mãos grandes, do Calcolítico, perdurando pela Idade do Bronze. Verificou-se, ainda, a frequência destes lugares na longa diacronia através de adições de podomorfos e paletas, genericamente considerados do 1º milénio a.C.

Os responsáveis pela arte esquemática foram consideradas grupos portadores de uma cosmogonia animista.

Downloads

Download data is not yet available.
Published
2015-12-22
How to Cite
Cardoso, D., & M. S. Bettencourt, A. (2015). Arte “Esquemática” de ar livre na bacia do Ave (Portugal, NO Ibérico): espacialidade, contexto, iconografia e cronologia. Estudos Do Quaternário / Quaternary Studies, (13), 32-47. https://doi.org/10.30893/eq.v0i13.106
Section
Articles